RADIO SENAMI

  

sábado, 27 de dezembro de 2008

Estudo no Livro Genesis - Capitulo 1.



O DEUS da Criação



Julio César Caldeira Costa[1]

SUMÁRIO: 1. Texto; 2. Introdução; 3. Quem é este DEUS? ; 4. A finalidade da criação; 5. A sua obra; 6. Conclusão; 7. Referências Bibliográficas.



Texto – Gn 1. 1-31.

1- NO princípio criou Deus os céus e a terra.
2 - E a terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo; e o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas.
3 - E disse Deus: Haja luz; e houve luz.
4 - E viu Deus que era boa a luz; e fez Deus separação entre a luz e as trevas.
5 - E Deus chamou à luz Dia; e às trevas chamou Noite. E foi a tarde e a manhã, o dia primeiro.
6 - E disse Deus: Haja uma expansão no meio das águas, e haja separação entre águas e águas.
7 - E fez Deus a expansão, e fez separação entre as águas que estavam debaixo da expansão e as águas que estavam sobre a expansão; e assim foi.
8 - E chamou Deus à expansão Céus, e foi a tarde e a manhã, o dia segundo.
9 - E disse Deus: Ajuntem-se as águas debaixo dos céus num lugar; e apareça a porção seca; e assim foi.
10 - E chamou Deus à porção seca Terra; e ao ajuntamento das águas chamou Mares; e viu Deus que era bom.
11 - E disse Deus: Produza a terra erva verde, erva que dê semente, árvore frutífera que dê fruto segundo a sua espécie, cuja semente está nela sobre a terra; e assim foi.
12 - E a terra produziu erva, erva dando semente conforme a sua espécie, e a árvore frutífera, cuja semente está nela conforme a sua espécie; e viu Deus que era bom.
13 - E foi a tarde e a manhã, o dia terceiro.
14 - E disse Deus: Haja luminares na expansão dos céus, para haver separação entre o dia e a noite; e sejam eles para sinais e para tempos determinados e para dias e anos.
15 - E sejam para luminares na expansão dos céus, para iluminar a terra; e assim foi.
16 - E fez Deus os dois grandes luminares: o luminar maior para governar o dia, e o luminar menor para governar a noite; e fez as estrelas.
17 - E Deus os pôs na expansão dos céus para iluminar a terra,
18 - E para governar o dia e a noite, e para fazer separação entre a luz e as trevas; e viu Deus que era bom.
19 - E foi a tarde e a manhã, o dia quarto.
20 - E disse Deus: Produzam as águas abundantemente répteis de alma vivente; e voem as aves sobre a face da expansão dos céus.
21 - E Deus criou as grandes baleias, e todo o réptil de alma vivente que as águas abundantemente produziram conforme as suas espécies; e toda a ave de asas conforme a sua espécie; e viu Deus que era bom.
22 - E Deus os abençoou, dizendo: Frutificai e multiplicai-vos, e enchei as águas nos mares; e as aves se multipliquem na terra.
23 - E foi a tarde e a manhã, o dia quinto.
24 - E disse Deus: Produza a terra alma vivente conforme a sua espécie; gado, e répteis e feras da terra conforme a sua espécie; e assim foi.
25 - E fez Deus as feras da terra conforme a sua espécie, e o gado conforme a sua espécie, e todo o réptil da terra conforme a sua espécie; e viu Deus que era bom.
26 - E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; e domine sobre os peixes do mar, e sobre as aves dos céus, e sobre o gado, e sobre toda a terra, e sobre todo o réptil que se move sobre a terra.
27 - E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou.
28 - E Deus os abençoou, e Deus lhes disse: Frutificai e multiplicai-vos, e enchei a terra, e sujeitai-a; e dominai sobre os peixes do mar e sobre as aves dos céus, e sobre todo o animal que se move sobre a terra.
29 - E disse Deus: Eis que vos tenho dado toda a erva que dê semente, que está sobre a face de toda a terra; e toda a árvore, em que há fruto que dê semente, ser-vos-á para mantimento.
30 - E a todo o animal da terra, e a toda a ave dos céus, e a todo o réptil da terra, em que há alma vivente, toda a erva verde será para mantimento; e assim foi.
31 - E viu Deus tudo quanto tinha feito, e eis que era muito bom; e foi a tarde e a manhã, o dia sexto.


Introdução.

Muitos quando lêem o texto ora destacado, não tem a dimensão, profundidade e a imensidão do Deus criador, já são de longas datas a falsa interpretação deste primeiro capitulo do livro de Gênesis. Tal dificuldade se dá pelas visões religiosas, falsas crenças e alguns mitos que envolvem a mente humana, pelas visões religiosas surgiram às religiões onde destacamos: 1 – Na visão teista – (DEUS fez tudo) Judaísmo, Cristianismo e Islamismo; 2 – Na visão Panteísta – (DEUS é tudo) Hinduismo, Confucionismo e Nova Era; 3 – Na visão Ateísta – (Não há DEUS) humanistas. Segue-se completamente nesta desordem em função do homem maravilhar-se mais com a criação do que o Criador admiram-se mais a criação, mesmo sendo para nós algo de se admirar, mas não mais do que o Criador, por trás da criação existe um Ser maior que é o Todo Poderoso, a Ele demos toda a gloria, e o louvor.

I – Quem é Este DEUS?

A maravilha da Criação é para toda a humanidade algo de curioso, pois até a data de hoje o homem, não conseguiu ter diante de si, pela sua própria concepção, uma tese que venha colocar em duvida a narrativa Mosaica da gênesis. Não consegue o homem, por mais que venha conjecturar a derrubar esta narrativa. Pois para primeiro falar da Criação precisa o homem conhecer o DEUS Criador, o DEUS que se revelou a Moisés e lhe deu o entendimento de toda a sua obra criadora.
O DEUS Criador é um DEUS universal e pessoal. Universal, pois todo o homem que seja do mais distante Continente, País, Cidade, Vilarejo ou localidade, sabe em seu intimo da existência de um DEUS, mesmo diante de sua crença que possa não alcançar a este DEUS, por desconhecer o verdadeiro caminho que se chega a ele, mas sabe da existência deste DEUS, por qualquer um dos argumentos da existência de DEUS, mas tem o homem dentro de si algo que o faz perguntar sobre algo sobrenatural, Na Grécia Antiga, criada por Aristóteles temos a Metafísica, aquilo que transcende o físico, alem matéria, esta busca deste vazio dentro do homem, nos prova que ele é universal. O Apostolo Paulo ao escrever a sua carta aos Romanos, ele nos afirma que o homem mesmo conhecendo a Gloria de DEUS preferiu dar gloria a si mesmo.
Uma dificuldade maior é que o homem confundiu o DEUS da criação com a sua criação, achando que a sua obra por ser de difícil compreensão para eles não consegue entender como o DEUS Criador colocou tudo para funcionar que a sua criação foi gradativa, ao longo de muitos anos, pois coloca a sua criação como maior que o próprio DEUS. Temos exemplos de alguns homens que seus inventos são maiores que a si próprio, como por exemplo, o inventor do avião, da roda, e outros inventos que suplantaram os seus idealizadores, mas poucos sabem do DEUS Criador, e por não saberem ficam a duvidar da sua capacidade de dominar este universo, e se por ventura tem condição de tomar conta deste mundo. Mas o DEUS Criador Ele é Maior que sua obra e não a confundimos Consigo Mesmo, mas entendemos que Ele é Maior, nesta prova de sua existência podemos falar de sua Transcendência, pois a palavra Transcendência nos afirma que Ele transcende a sua obra criadora, Ele é Maior que sua criação, e mesmo sabendo que Ele é Maior, pois pela sua Palavra Ele tudo Criou, ele participa de Sua Criação ele é Imanente, Ele está perto e pronto para ajudar. Ele é um Ser Pessoal, isto é, Ele é uma Pessoa, um Ser Perfeito, Ele não uma poeira cósmica, ou uma forma de civilização mais evoluída, pois antes da Criação só existia Ele, não havia mais nada somente Ele existia e pela única e exclusiva vontade Ele criou, poderia, se não quisesse criar nada e também não era obrigado a criar, mas criou pela sua própria vontade, assim o fez, utilizando o nada, no original do texto Hebraico temos a seguinte frase do versículo 1 do capitulo 1 do Livro de Gênesis:
בראשׂית ברא אלהים את השׂמים ואת הארץ - 1 – transliterado: “berê'shiyth bârâ' 'elohiym 'êth hashâmayim ve'êth hâ'ârets “. Sendo o verbo: Criar – bârâ no hebraico, aparece no AT somente vinculada à pessoa de DEUS, isto é, o criar atribuído é somente dado ao DEUS Criador, e Ele cria do vazio, do nada, de nenhuma substancia ou matéria existente, diferentemente do homem, pois o homem nada cria, somente pode transformar uma matéria ou substancia em outra matéria, em sua composição ou até separando as matérias. Antes do nada só existia o DEUS perfeito.

II – A finalidade da Criação.

O primeiro passo para o homem é tentar buscar o porquê da causa final da criação do universo. Aparentemente podemos analisar que estando o Senhor sozinho, poderia Ele está triste pela sua condição solitária, ou não tendo nada a fazer poderia estar entediado e ocioso com que fazer. Seria uma idéia pratica, mas o Ser de DEUS é completo, realizado e nada teria em seu interior que pudesse lhe faltar diferentemente do homem que por estar afastado de seu propósito original habita em seu interior o vazio, um sentimento de perda sem saber o que se perdeu, é a vontade de encontrar com sua origem.
A Criação foi um ato volitivo de DEUS, e o fez pela sua própria soberania, poderia se quisesse não te-lo feito, foi um ato de sua própria vontade, fez por que quis. Sem que alguém pudesse questioná-lo, ou tentasse Lhe dar alguns conselhos ou sugestões. O Salmista nos diz, no Salmo 135.6 “Tudo o que o Senhor quis, fez, nos céus e na terra, nos mares e em todos os abismos”, o Profeta Isaias nos relata no seu livro Is 46.10 “Que anuncio o fim desde o principio, e desde a antiguidade as coisas que ainda não sucederam; que digo: o meu conselho será firme, e farei toda a minha vontade”, Paulo escrevendo aos Efésios afirma: Ef 1.11 “Nele, digo, em quem também fomos feitos herança, havendo sido predestinados, conforme o propósito daquele que faz todas as coisas, segundo o conselho de supra vontade.”. Não havia e não há algo que venha mudar a sua vontade desde o principio de sua criação tudo já está determinado.
Mesmo olhando a sua criação e tendo a todos nós admirados por tudo que Ele fez, da mesma forma que ao apreciarmos uma tela onde se encontra registrado a mais bela obra de um grande pintor e temos sempre a garantia de sua existência e a sua guarda para preservação, também afirmamos que o universo criado ele não é eterno, teve ele inicio consequentemente terá um fim este universo que hoje vemos e residimos, ele tem um fim previsto desde a sua criação, mostra-nos que a sua obra tem um propósito, Paulo na Carta aos Efésios no seu Cap. 3 verss. 9 e 11 e no Cap. 1. Vers. 4 da mesma carta recebeu do Espírito Santo esta revelação que o transcrevemos sucessivamente: “É demonstrar a todos qual seja a dispensação do ministério, que desde os séculos esteve oculto em DEUS, que tudo criou por meio de Jesus Cristo”; “Segundo o eterno propósito que fez em Cristo Jesus nosso Senhor,” e “Como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para que fossemos santos irrepreensíveis diante dele em amor;” João na Ilha de Patmos teve a seguinte revelação e escreveu no Livro de Apocalipse Cap. 21 Vers. 1 “E vi um novo céu, e uma nova terra. Poque já o primeiro céu e a primeira terra passaram e o mar já não existe.” Este céu e esta terra terá o seu fim, novo céu e nova terra o Senhor nos dará.
Mas qual é o seu propósito de sua criação, por qual motivo DEUS fez o céu e a terra. No mesmo livro de João, em Apocalipse no Cap. 4 Vers. 11 ele nos afirma: “Digno és, Senhor, de receber gloria, e honra e poder; porque tu criaste todas as coisas, e por tua vontade são e foram criadas.” Moisés escreveu no Livro de Números cap. 14 vers. 21 “Porém, tão certamente como eu vivo e como a gloria do Senhor encherá toda a terra,” o Profeta Isaias nos exorta no Cap. 48 vers. 11 “Por amor de mim, por amor de mim o farei, porque, como seria profanado o meu nome? E a minha gloria não a darei a outrem.” O propósito de toda a criação é para darmos gloria e louvor ao Senhor nosso DEUS, tudo foi criado para o seu louvor e adoração, Davi ao escrever o Salmo 19, verss. 1-3. Trouxe-nos a explanação deste louvor e desta adoração, não somente a nós, mas a tudo que o Senhor criou tudo o louva e Lhe adora:

“Os céus declaram a gloria de DEUS e o firmamento anuncia a obra de suas mãos.
Um dia faz declaração a outro dia, e uma noite mostra sabedoria a outra noite.
Não há linguagem nem fala onde não se ouça a sua voz. ”[2]

Todas as coisas foram feitas para a sua própria adoração e somos nós suas criaturas e pertencemos a Ele por isso adoremos o DEUS perfeito.

III – Sua Obra.

A analise de sua obra nos requer mais que compreensão ao texto mais também a iluminação do Espírito Santo, pois ao analisarmos do ponto de vista onde nos situamos devemos no primeiro plano observar que o pecado ainda não havia entrado no mundo criado pelo Senhor, pois após a queda do homem os tempos são contados diferentes, sem querer entrar no estudo dos dias, se os mesmos fazem referencias a eras ou a dias prolongados conforme alguns teólogos buscam estes entendimentos, não entraremos sobre estes aspectos, mas que se houve em alguma data um dia da criação e ela foi progressiva no momento em que DEUS a fez em 6 (seis) dias, pela sua própria vontade, poderia ter sido em 01 (um) dia, não questionamos o modo em que se foi Criado, mas que foi criado pelo SENHOR nosso DEUS, a sua criação, segundo o teólogo Charles Hodge esquematiza em duas eras: a Era Inorgânica e a Era Orgânica. A Era Inorgânica ela vai do inicio até o surgimento de vida orgânica, e após temos a Era Orgânica:

A – Era Inorgânica:

· 1° Dia – A Luz Cósmica;
· 2° Dia – A divisão das águas debaixo das águas acima da terra
· 3° Dia - 1 – Delineamento da terra e água;
2 – Criação da vegetação.

B – Era Orgânica:

· 4° Dia – Luz do sol;
· 5° Dia – Criação da ordem inferior de animais;
· 6° Dia – 1 – Criação dos animais;
2 – Criação do homem.

Nesta seqüência, temos o entendimento do propósito do Senhor, ao criar do nada todas as coisas, criando em primeiro lugar a luz cósmica e fazendo separação entre os céus e as águas, as águas de baixo fez surgir a terra, os continentes, os paises a terra de modo geral, da Terra então cria os vegetais, não houve para realizar esta criação, qualquer material a ser utilizado.
Ao passarmos para a Era Orgânica DEUS já utiliza um material secundário o barro, criado no 2° dia utilizando o mesmo material para criar os animais e o homem, diferenciando somente que o homem tem a imagem e a semelhança de DEUS, e concede ao homem o direito de dominar, governar sobre as outras animálias, sobre toda a Terra, deu o Senhor nosso DEUS a Terra ao homem, para governar podendo para tanto dar nome aos animais. O homem passa a uma posição diferenciada perante o Senhor, uma posição de destaque sendo a coroa da criação do Senhor.


Conclusão.

O Senhor é poderoso, amável, tenro, benevolente, generoso e nos deu todo este Mundo para que possamos viver nele e o adora-Lo, DEUS é fiel e somos gratos pela sua obra criadora e também ter-nos redimidos dos nossos pecados.

Ao Senhor Nosso DEUS, toda honra, toda Gloria e todo louvor,
Por intermédio de seu filho Jesus Cristo, Amem.



Referencias Bibliográficas:

Hodge, Charles. TEOLOGIA SISTEMÁTICA. São Paulo, Hagnos, 2001.

Geisler, Norman. Turek, Frank. NÃO TENHO FÉ SUFICIENTE PARA SER ATEU. São Paulo, Editora Vida, 2006.
[1]
Especialista em Planejamento Tributário e Auditoria Contábil pela CEDES/UVV/ES; Bel. em Ciências Contábeis pela FACEC/ES; Bel. Em Teologia pelo IBADES/ES convalidado pela FATIN/PE; Acadêmico em Direito pela UVV/ES, Dirigente da Congregação da Assembléia de Deus em Jardim Asteca, Ministério Aribiri.
[2] Bíblia de Estudo Profética Tim LaHaye, ED. HAGNOS, São Paulo, 2005 – Versão Almeida Corrigida Fiel (ACF).
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

GESTÃO EMPRESARIAL

JORNAL CONTABIL