sábado, 17 de outubro de 2009

Desvendando os Misterios da Maçonaria

Poderia um Cristão ser maçom?


Após a divulgação do Filme O Codigo Davinci, do Sr. Dan Brown voltou-se a falar em sociedades secretas, e entre elas a Maçonaria e seus misterios a encabeça a sua lista de curiosidades, tive uma grande experiencia pois durante quase 10 anos de minha vida foram dedicada a ela tendo inclusive sido presidente de uma das Lojas da Grande Loja Maçonica do Estado do Espirito Santo [1], e pela vivencia que ali tive, tenho como testemunhar que é impossivel um cristão ser maçom, mesmo ainda tendo alguns maçons que tenho apreço e respeito pela pessoa que o são, mas o Senhor me mostrou pela sua Palavra que é impossivel está lá, mesmo que sua filosofia seja configurada pelo iluminismo, onde há a valorização do Homem e sua idéia libertaria, e apregoar a liberdade de expressão algo importante para um Estado Democratico de Direito e sem contar a igualdade dos povos de modo geral, mesmo assim é impossivel segui-la e seguir a Jesus Cristo.
Nesta situação gostaria de trazer a baila alguns dos crivos que passei para chegar a esta conclusão onde passamos a discorrer sobre eles:
1 - A universalidade da Maçonaria: a primeira de seus criterios são dismistificação das diferenças de cada Povo ou Nação; sabemos que Povos e Nações são constituidos por sistemas, costumes, etnia, ideologias onde as quais diferenciam uma da outra e naturalmente o Credo é um desconforto para muitas Nações entre elas destacamos os Paises Islamicos, Os Asiaticos e também Europeus e Americanos todos de modo geral tem os seus costumes, suas ideologias e outras formas de pensamentos, não ficaremos somente na questão de Povo, Territorio, Soberania para qualificarmos um Estado, mas de acordo como as Escrituras Sagradas nos adverte temos Povos, Linguas, Ilhas e neste aspectos vimos em um todo as diferenças. A Maçonaria para conseguir atingir a sua ideologia ela ultrapassa esta barreira e a qualifica como verdades inferiores onde a verdadeira Verdade ainda será achada, em suas reuniões são proibidos discurtirem assuntos de natureza religiosa e politico, com isso sufoca qualquer anuncio da Verdade que é a Mensagem da Cruz, pois tanto para espiritas, cristãos nominais e ou praticantes, mulçumanos, judeus e outras praticas de cunho religioso, ficando somente uma interatividade da sua pratica religiosa de forum intimo, nas pespectiva de modo particular para cada de seus praticantes, em sua propria esfera não podendo ser objeto de questionamento com os demais. Com isso temos o primeiro confronto pois não pregamos placa denominacional mas somente a Jesus Cristo o Salvador e devemos ir a todos para anuncia-lo a sua volta.
2 - Jesus Cristo somente um homem comum, porem com ideias libertarias - Umas das mitologias da Maçonaria, porém não oficial, mas alguns de seus adptos, principalmentes os misticos, afirmam que Jesus Cristo foi um Maçom pelas seus discursos de igualdade e a forma de como foi até os que eram marginalizados pelo sistema politico e econômico de sua época, claro que deve-se ser esclarecido que a Maçonaria não publica livros, somente editar os de cunho interno como por exemplo os Rituais, para a pratica das suas reuniões internas; as publicações que vimos no mercado literário são simplesmente de opinião de seus autores, mas devemos esclarecer que em suas reuniões e bem como no Ritual do Grau 1 temos alguns escritos que comprovam que Jesus Cristo somente é um homem da mesma natureza Maomé e Mahatma Ghandhi e outros homens que preocuparam-se com a situação de seus irmãos ou povos. Sabemos nós que Jesus Cristo é superior a tudo e a todos e a sua obra foi a unica expectativa para atingir o Céu e a verdadeira reconciliação com Deus. Não é somente uma pratica religiosa mas uma certeza de vida. Não há como ser Cristão e ser maçom pois não podemos deixar de glorifica-lo e aceitar estas comparações e estas igualdades, mesmo sabendo que ele reduziu-se a si mesmo, tornando-se maldito...somente para nos salvar.
3 - Somos todos iguais e fraternos, vivemos em comunhão - uma das maiores virtudes que encontrei na Maçonaria em sua predica é a fraternidade, a consideração de irmandade e o compromisso de ajuda mutua, muito lindo pois é a pratica do amor, deve ser estendido a todos. Lembrando que é também uma ordenança do Senhor a pratica do amor, o amor incondicional, porém fazemos uma ressalva quanto a irmandade. A natureza da irmandade está na filiação com o Senhor nosso Deus por intermédio de Jesus Cristo que nos fez herdeiro, nesta ordem praticamos o amor, porém esta irmandade não é caracterizada para aqueles que não querem seguir a Jesus Cristo por opção e não querem segui-lo na sua pratica de honrar o Pai e guardar os seus mandamentos. Não é somente ser caridoso, mas ser um seu seguidor pois somente ele tem a Palavra de Salvação e não podemos ajuntar-se com aqueles que se dizendo irmãos são idolatras, não adorando o verdadeiro Deus (I Co 5.11), a fraternidade ela é direcionada por intermedio de Jesus Cristo e somente a ele na sua adoração e na obediência de sua Palavra, pois fora dele não há salvação.
4 - A sua descaracterização como religião é uma farsa - o Conceito que temos de religião é algo somente humano, a experiencia do homem em busca de Deus já é desde da sua queda, ele busca na sua interpretação tentar alcança-lo e muitas das vezes o intuito é somente de honrar o proprio homem, temos a narrativa biblica da Torre de Babel. Já o maçom ele parte do seu proprio nome onde quer dizer pedreiro, tradução do termo maçom (francês) e sua ideologia é da construção do Templo de Salomão, herança hebraica incorporada ao Ritual da Maçonaria, diga-se de passagem a Maçonaria foi criada em 1717 por protestantes ingleses, porém Racionalista, onde iniciou-se esta corrente filosófica mas precisamente em toda Europa e incorporada pelos Iluminista, e no particular trata-se de uma construção do homem social (um edificio social) pronto para interagir na sociedade, como um elemento libertador. com isso chegamos a uma conclusão que ela é uma religião pois tem um objetivo religioso de trazer uma perfeição ao homem em relação ao Criador e a sociedade em que vive e tendo como reconpensar no termino de sua vida o descanso no oriente eterno ( de onde surgiu a luz do conhecimento, mesmo sendo um ensino bem abstrato desta luz). outra vertente é a forma de que se começa essa interatividade para os iniciantes (aprendiz) começa 02 vezes no mês, e com o passar do 01 ano logo voçê terá quase todos os dias da semana e um envolvimento com todos os seus familiares. E tornando-se como crença desta perfeita harmonia com o universo.
5 - a Consideração que os deuses são o mesmo Deus - pela sua liturgia o ingresso de um novo maçom é só dada por varios critérios e dentre eles deve-se ter a crença na existencia de um Criador. Bastante logico e cremos da mesma forma, porém em sua revelação primaria o Deus Todo Poderoso não é o mesmo deus em que os Espiritas creêm, como também o deus dos Mulçumanos e de outras formas de variação, mesmo que tenham saido da visão Cristã-hebraica, pois o Deus que cremos foi aquele que se revelou ao homem e ensinou de como deve adora-lo e nos deu uma Escritura para o reconhece-lo, tanto assim que nas Maçonarias de Paises Cristãos temos como livro sagrado a Biblia, porém para os Paises Mulçulmanos temos o Alcorão e para os Judeus o Torá. Desta forma não seguimos o mesmo Deus e devemos honra-lo de toda forma. É preciso conhecer o nosso Deus e a forma de conhece-lo é segui-lo e para segui-lo ele mostra de como devemos segui-lo com santificação, com adoração, com confiança e sabendo que ele mesmo nos corrige nos nossos erros.
Acredito que este assunto é bastante intrigante mas ao mencionar-mos o nosso pensamento não é de criticarmos seus adptos, que são verdadeiramente o motivo maior do sacrificio de Jesus mas com o proposito de tentar trazer uma reflexão se realmente se está fazendo a vontade de Jesus Cristo.

Julio Caldeira


[1]http://www.acaciadabarra61.org.br/index.php?option=com_morfeoshow&task=view&gallery=2&Itemid=56

A BIBLIA EM MEIO A UM PLURALISMO RELIGIOSO

A BIBLIA EM MEIO A UM PLURALISMO RELIGIOSO Julio Cesar Caldeira Costa [1] Por esta causa, eu, Paulo,  sou  o prisioneiro de Jesus C...